Esta expressão atravessou as eras desde que saiu da boca de Deus e foi ao encontro de um homem que tinha uma missão quase impossível, a de libertar da escravidão o povo escolhido por Deus para ser sinal de uma verdadeira aliança entre Ele e os homens.
De lá para cá, em meio a obediências e desobediências, jamais Deus abandonou o seu povo, fazendo valer a sua fidelidade e a marca de sua presença maravilhosa em nosso meio, vindo a cumprir tudo que havia prometido numa única e exclusiva pessoa, seu Filho, Jesus Cristo.
Deus disse: Eu sou Aquele que É. Esta revelação foi interpretada pelos exegetas de duas formas: A primeira, num sentido causativo mesmo, quer dizer, eu sou a causa do ser, de tudo aquilo que existe, a origem de todas as coisas. A segunda forma é o sentido relativo que se apresenta assim: Eu Sou Aquele que está a favor do seu povo, aquele que está em relação ao seu povo. Este segundo sentido acentua mais o valor histórico da revelação do nome de Deus. Um Deus que se manifestava ali, na frente de Moisés, como um sinal vivo e presente de esperança. Um Deus que não só libertará seu povo, mas que suprirá todas as suas necessidades reais e presentes.
No Sinai, não se trata de uma Revelação Metafísica de Deus, como afirma a filosofia do ser. Ainda mais porque é uma especulação abstrata e estranha à mentalidade dos hebreus e dos povos semitas em geral. Por isso, Êxodo 3.14, nos seus dois sentidos não indica uma reflexão meramente filosófica, mas pura e simples autocomunicação de Deus. Deus se revela como presença incorruptível ao lado do homem, como uma realidade viva que não se desgasta, que não se consome. Essa é a potência da figura da sarsa ardente e de todas as circustâncias que envolve este importante episódio bíblico.
Quando Moisés se encontra com Deus no Monte Sinai uma certeza se abre no horizonte de dúvidas de Moisés: Há uma saída para o meu povo. Diante da missão que Deus lhe pede, Moisés externa a sua pequenez, sua incerteza e sua insegurança: “Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?”(Ex 3.11). Moisés não sabia disso, mas não importa quem seja ele, grande ou pequeno, rico ou pobre, poderoso ou fraco, o que de fato importa é que Moisés já tinha sido escolhido para ser sinal ali da presença maravilhosa e extraordinária de Deus. Deus tinha que usar alguém e usou a Moisés para ser seu servo e comprovar toda a sua obediência. Porque, segundo o texto, Deus é simplesmente assim e pronto: “Eu Sou o que Sou. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a Vós. E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O Senhor, o Deus de Vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração”(Ex 3.14-15).
Com essas palavras, diria mais, com sua presença majestosa que preenche tudo, Deus exime todas as suspeitas de uma missão mal sucedida. Deus também afasta para bem longe as inúmeras espécies de dúvidas no coração de seu escohido, Moisés. Sendo assim, restará a Moisés obedecer e confiar em alguém que lhe pôs o Ser. Em alguém que não só lhe deu o ser, mas que se permitiu por em seu caminho. Veja bem, Deus saiu de si e permitiu-se entrar na vida dos homens! Isso é maravilhoso. Será preciso honrar tudo isso. Nas mãos de Moisés ferve a esperança de um povo e a mudança de uma história.
Parece ser muito complicado fazer filosofia de um texto dessa natureza, mas se tentarmos uma aproximação não pode ser somente pela via da especulação racional, mas da vida. Quem se aproximou um pouco dessa compreensão foi Tomás de Aquino, cuja Filosofia se desenvolveu na Alta Idade Média, séc. XII, XIII e XIV, beirando o Renascimento. Para Tomás, Deus é pura subsistência de ser, Deus é o ser por excelência. “Ipsum esse subsistens”. É uma afirmação por via puramente racional. Tomás não usa textos bíblicos para isso. Porém, o contexto histórico no qual Tomás vive é um contexto de comunidade cristã, é um contexto impregnado pela revelação cristã. Os argumentos de Tomás de Aquino não partem de uma razão abstrata, mas partem de uma vida. É a partir de uma vida que ele faz um aprofundamento em relação a Aristóteles. Isso é possível por causa de uma vida, pelo fato de viver num mundo dominado pela concepção da Revelação.

Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva
Licenciado em Filosofia, Bacharel em Teologia e Especialista em Metafísica

Deus disse: "EU SOU O QUE SOU"(Ex 3.14)

Posted on

domingo, 11 de setembro de 2011

As mais vistas

Blogs interessantes

Notícias

Loading...

Artigos de Ghiraldelli Jr.

Pense o pensamento

Florânia, vista aérea.

Florânia, vista aérea.
A cidade em que moramos e amamos.

Celeuma na calçada...

Celeuma na calçada...
É costume no interior do RN sentar-se nas calçadas e discutir variados assuntos que vão da política à religião, das fofocas às histórias do lugar. Maravilha!

Alegria e contentamento.

Alegria e contentamento.
Como é agradável encontrar-se com a família e partilhar ótimas alegrias!

QUE CÉU! QUE PAISAGEM! QUANTA PAZ!

QUE CÉU! QUE PAISAGEM! QUANTA PAZ!
Também com este céu, não podia querer outra coisa senão sorrir e admirar...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Atividade no Facebook

Pesquise aqui

Carregando...

Categorias

filosofia (401) cultura (322) sociologia (302) educação (267) política (264) ética (92) cidadania (67) futebol (65) Deus (55) literatura (50) Luiz Felipe Pondé (47) florânia (43) teologia (40) artes (38) diário da copa (35) poesia (30) Platão (29) natureza (26) Nietzsche (25) Brasil (24) Bíblia (24) Cristo (22) sócrates (22) Lévinas (21) vida (21) amor (20) Religião (19) alteridade (19) liberdade (19) antiguidade (18) justiça (18) ecologia (15) economia (15) (15) férias (15) Aristóteles (13) Heidegger (10) Jesus (10) Pedagogia (10) história (10) Zizek (9) Foucault (8) dialética (8) livro (8) poder (8) Kant (7) Marx (7) família (7) música (7) tecnologia (7) Ulisses (6) felicidade (6) mito (6) simpsons (6) tempo (6) valores (6) Existencialismo (5) Sartre (5) ciência (5) morte (5) Adorno (4) Borges (4) Deleuze (4) Filosofia da existência (4) Heráclito (4) Spinoza (4) Sören Kierkegaard (4) Tomás (4) homem (4) seleção (4) verdade (4) Agostinho (3) Chauí (3) Homero (3) Jorge Amado (3) Luc Ferry (3) Nelson Rodrigues (3) Rousseau (3) Schopenhauer (3) socialismo (3) Descartes (2) Dostoievski (2) Einstein (2) Freud (2) Hannah Arendt (2) Hegel (2) Luis Fernando Veríssimo (2) Milan Kundera (2) Mircea Eliade (2) Newton (2) Paulo Freire (2) Saramago (2) Senhor (2) Teatro (2) copa 2014 (2) cotidiano (2) curiosidade (2) humanismo (2) humor (2) ideia (2) ideologia (2) juventude (2) libertadores (2) moral (2) nada (2) olimpíadas (2) paz (2) seca (2) tragédia (2) vontade (2) Adoniran (1) Alcebíades (1) Anselmo (1) Bacon (1) Beethoven (1) Cony (1) Demócrito (1) Diógenes (1) Edgar Morin (1) Emily (1) Empédocles (1) Epicuro (1) Gabriel Garcia Marquéz (1) Gadamer (1) Gramsci (1) Haiti (1) Hipócrates (1) Hume (1) Husserl (1) Ionesco (1) Jabor (1) Jaeger (1) James Allen (1) Kepler (1) Lincoln (1) Lobato (1) Locke (1) Louvor (1) Lévi-Strauss (1) Maquiavel (1) Martin Luther King (1) Mary Schmich (1) Maurice Blanchot (1) Montaigne (1) Nelson Mandela (1) Parmênides (1) Paul Ricoeur (1) Popper (1) Proust (1) Racine (1) Rorty (1) Simone Beauvoir (1) Sílvio Gallo (1) Sólon (1) Terêncio (1) Weber (1) administração (1) criança (1) física (1) gestão (1) medicina (1) pedofilia (1) psicologia (1) santos (1) saúde (1) ser (1) sujeito (1) voleibol (1) água (1)
Ao citar qualquer material deste blog, favor mencionar o autor Jackislandy Meira de Medeiros Silva. Tecnologia do Blogger.