sábado, 25 de dezembro de 2010

Que nossa Presidenta corra pra frente, não pra trás!

Com este salário, nem todos podem fazer uma ceia de Natal.

O Natal é a grande festa do consumismo...E tome dívidas.

A vida como um grande MOTIVO que nos move... Cecília Meireles.

Deixo-os na companhia de Cecília Meireles, pois fim de ano é inevitável nossa reflexão lançar-se para realidades existenciais, finitas e, absolutamente, fugidias...

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Neste Natal e Ano Novo, sejamos consumidos pelos afetos, não pelo dinheiro!


Quando nesse país, e em boa parte do mundo, tudo ainda esbarrar em dinheiro, as festas de Natal e fim de ano mais parecerão uma corrida avassaladora “contra” e “para” o consumo. “Contra”, porque relutamos aos gastos exorbitantes que poderão nos deixar endividados o ano vindouro inteirinho. “Para”, na medida em que cedemos aos caprichos dos apelos do coração, uma vez que somos todo sentimento e emoção em tempos como estes – de confraternizações natalinas e Réveillon 2011- de encontrar pessoas amigas de longas datas, até mesmo familiares tomados de saudades.

Somadas a isto são as inúmeras festas de confraternização e troca de presentes que podem afastar ou aproximar as pessoas do inevitável consumo, teimosamente rondando à nossa volta, dependendo, é claro, do poder aquisitivo de cada um, mas que mexe com os brios de uma sociedade altamente capitalista, na qual estamos metidos.

Pois bem, no calor das tantas festas natalinas e no derramar da brancura das espumas volumosas de litros e litros de champanhe, escondem-se os gritos daqueles que passarão quase todo o ano endividados; o soluçar de milhares de famílias divididas que não têm como celebrar o Natal; o clamor de um número infindável de crianças que ainda não sentiram o sabor de ganhar um presente ou uma ceia de Natal, porque não têm dinheiro.

Da criança ao idoso, passando pelo jovem sem perspectiva de vida neste Natal, há a sensação de que é possível, no momento supremo do encontro familiar em volta d'Aquele que se fez e se faz presente por nós, Jesus Cristo, nascer de novo com todos os excluídos da terra. Excluídos por algo tão banal, que um sem-número de pessoas dá valor, o tal do dinheiro. Por causa dele, criamos barreiras, construímos cercas e matamos nosso irmão. É por isso que não reconheço o homem quando simplesmente vejo o consumo desmedido numa época tão maravilhosa como esta. É tempo de celebração, de congraçamento de todas as diferenças, não de consumismo.

Sei que muitos nem verão o alvorecer de um novo ano porque estarão anestesiados pela bebida em demasia, mas, certamente, haverá pessoas que esperarão o Salvador neste Natal e aguardarão entusiasmadas o despontar de um novo ano com os olhos fitos nos que não terão vinho e nem pão, muito menos peru e “fiesta”, regado a fios de ovos, tampouco panetone, mas estarão cheias de ternura e receptivas à partilha, ao abraço, ao sorriso, ao encontro.

Ao contrário de esbanjarmos muito consumo, neste fim de ano, esbanjemos muitos encontros e trocas de abraços. Ao invés de inúmeras trocas de presentes, multipliquemos, neste Natal, as trocas de afetos, os gestos amáveis e ternos. Sejamos consumidos pelos afetos, não pelo dinheiro. Sejamos consumidos de amigos, não consumidos pelas dívidas!

Prof. Jackislandy Meira de M. Silva.

Licenciado em Filosofia pela UERN.

Especialista em Metafísica pela UFRN.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

"Sócrates no sertão do Seridó". Filme será lançado em fevereiro de 2011.


A TV Seridó foi responsável pelas filmagens do curta-metragem "Sócrates do Sertão do Seridó", filmado nas dependências do Complexo Turístico Ilha de Santana em Caicó e com lançamento previsto para fevereiro do próximo ano. Idealizado pelo juiz de Parelhas, Marcos Vinicius, que também é professor de filosofia, o filme conta a história de Sócrates, principalmente os aspectos de seus ensinamentos éticos e morais. "Através desse filme buscaremos discutir nas escolas públicas e privadas o tema ética, levando a universidade para dentro da sociedade, uma forma de retribuir o ensinamento que nós estamos conseguindo adquirir durante o curso", disse o magistrado e idealizador do filme.

Alunos do 2º periodo de Direito da UFRN e professores do curso (Campus de Caicó) integram o elenco do filme, dentre eles o advogado e presidente da OAB/Caicó, Chiquinho Medeiros. Sócrates é interpretado pelo universitário Helton Medeiros, que diz ter tido muita dificuldade de interpretá-lo. "É um pesonagem muito interessante. Ele o que hoje em dia pode se considerar uma pessoa chata e que pega muito no pé, mas ele é muito inteessante de se estudar. Agora, a atuação em si foi muito tensa", relatou. Deyse Nerino assina o roteiro do filme. "Por ser em terra caicoense, fizemos uma readaptação de um filme, lançado em 1971 e já trabalhado em sala, por estarmos pagando na cadeira de filosofia Sócrates, como ele é um marco na filosofia, e isso foi uma idéia do professor e apenas readaptamos para trazer como forma de acervo na nossa universidade", finalizou

Fonte: www.marcosdantas.com

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Leitura combina com férias e crescimento econômico?


Para aqueles que trabalham no decurso do ano é uma ótima pedida nestas férias que vem chegando, colocar a leitura em dia. Não só nas férias a leitura se insurge como um “ócio criativo” - título de um belo livro de Domenico de Masi - mas, sobretudo, viver dela e para ela deve ser uma exigência em todo o tempo. A leitura deve ser prioridade em todos os momentos da vida. Numa entrevista a que assisti, após as eleições deste ano, no Programa Jô Soares com Marina Silva, ela afirmou que para onde ia estava na companhia segura de sua maleta de livros, pois assim que surgisse uma oportunidade, abriria um de seus livros e lia com muita alegria, afirmando que o tempo não podia ser desperdiçado. Chegou até a brincar com Jô e disse que no avião dependendo do medo e de algumas situações, o primeiro livro que pegava era a Bíblia.

A atividade da leitura no Brasil tem melhorado a passos lentos, de modo que países vizinhos, aqui mesmo na América do Sul, estão bem melhores colocados no ranking de leitura do que o Brasil. A avaliação educacional mais importante – e relevante – do mundo revelou que a Educação brasileira está melhorando, mas ainda ocupamos uma posição baixa: em um ranking de 65 países somos o 53º colocado em Leitura e Ciências e 57º em Matemática. O Pisa(Programa Internacional de Avaliação de Alunos)avalia o desempenho de alunos do Ensino Fundamental e Médio em três áreas chaves: Leitura, Matemática e Ciências. A média brasileira nessas disciplinas foi de 401 pontos, bem abaixo da pontuação dos países mais desenvolvidos, que obtiveram 496 pontos. Em leitura, o Brasil alcançou 412 pontos; em Matemática, 386 e em Ciências 405 – em 2006 a pontuação foi de 393 em Leitura, 370 em Matemática e 390 em Ciências. Resultado que nos deixa atrás de México, Uruguai, Jordânia, Tailândia e Trinidad e Tobago.

Recentemente, como ilustração deste texto, logo acima, publicada pela Revista Superinteressante, podemos ver um levantamento de leituras espontâneas em média por aluno, do Instituto pró-livro da ANL, Centro Regional para o Fomento do Livro, na América Latina, na Espanha, no Caribe e em Portugal, que o Brasil lê apenas um livro por ano por habitante, ao passo que o Chile lê cinco livros por ano por pessoa, a Argentina cinco também e o Uruguai é o que mais lê, seis livros por cada habitante ao ano.

Os dados não mentem. A bem da verdade, se perguntarmos a uma criança ainda pequena o que ela sonha ser quando crescer, a resposta é quase imediata e unânime, jogador de futebol. Isto porque a mídia escancara nas telinhas com frequência jogadores de futebol esnobando mulheres bonitas, carros importados, gigantescos salários e, como se não bastasse, fora aprovada recentemente no Congresso Federal a Lei que ampara jogadores da seleção brasileira na aposentadoria, uma espécie de fundo de pensão. Cadê que uma criança responde que quer ser Professor ou Professora neste país?! Porque Professor ganha pouco, Professor não tem mais respeito, é agredido em sala de aula, é espancado e até assassinado. Muitos professores estão desmotivados com um mísero salário que recebem. Um salário que mal dá pra comer, quanto mais investir na formação profissional. Categoricamente, o Brasil vende uma imagem que não é a de um país de leitores que busca e se alimenta de cultura, mas a de um país que só vê futebol e que só ouve e dança samba. Somos o país do samba e da bola, não um país de leitura. Para a enorme maioria dos políticos, educação não dá votos, não ganha eleições. Educação neste país não é coisa séria, infelizmente.

Enquanto a Educação neste país estiver sendo vista como algo de segunda categoria ou sem prioridade, a leitura e o nível cultural não irão ser diferenciais de qualidade para um povo que quer entrar na lista dos países mais desenvolvidos do globo. Há, atualmente, um retrocesso no crescimento brasileiro. À medida que aceleramos no plano econômico, retrocedemos nas questões educacionais. Questões estas muito pertinentes na formação da personalidade, bem como na consolidação de um cidadão ético e absolutamente comprometido com o patrimônio natural de sobrevivência humana na terra. A mãe terra pede socorro, mas sem uma educação diferenciada, básica até, a Gaia, mãe e criatura de Deus, a terra gritará num gemido ensurdecedor de socorro.

As férias estão às portas. É hora de fazermos um balanço do quanto precisamos melhorar a leitura para poder expressar com mais autoridade nossas ideias. A leitura não só é importante para o desenvolvimento econômico de um país, mas é substancial no respeito aos outros, no trato com o diálogo, nos bons costumes, no requinte da linguagem e da escrita, no poder da argumentação. A leitura, por tudo isso nos dá poder, nos garante segurança emocional e faz bem às férias, principalmente quando são longas e podendo até nos levar ao tédio. Nas férias, a leitura nos propicia sair do ócio e do tédio. Edifique-se, leia mais nestas férias!

Prof. Jackislandy Meira de M. Silva
Licenciado em Filosofia pela UERN e
Especialista em Metafísica pela UFRN

Páginas na internet:
www.umasreflexoes.blogspot.com
www.chegadootempo.blogspot.com
www.twitter.com/filoflorania

p


terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Educação no Brasil melhora, mas em ritmo muito lento.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A pedofilia é uma ameaça às crianças.


A palavra pedofilia vem do grego παιδοφιλια (paidophilia) onde παις ("criança") e φιλια (philia, "amizade", "afinidade", "amor", "afeição", "atração"), "atração ou afinidade patológica" ou "tendência patológica", conforme o Dicionário Aurélio. A pedofilia, na prática, vai além da acepção cunhada por Aurélio, quer significar ações descontroladas de indivíduos que aliciam menores, na sua grande maioria, crianças desprotegidas, sem nenhuma reação para coibir a prática destes criminosos.

Não poucas vezes, o que facilita a ação dos pedófilos em nossa sociedade é a tremenda impunidade por que passa o país. O Brasil é detentor de uma legislação bastante flexível em que os infratores das leis se sentem à vontade para premeditar, escolher e agredir as suas vítimas, no caso em questão, crianças. Insistimos em destacar aqui “a criança” porque somos os primeiros a propagar por aí o famoso clichê de que “a criança é o futuro da humanidade”. Bem, de fato o é. Mas, se é o nosso futuro, por que não as protegemos, por que não monitoramos suas ações enquanto família, pais e mães, tios e avós? Crianças são frágeis, dóceis, amáveis. Estão, a todo instante, necessitando de carinho e atenção, por isso são tão vulneráveis e expostas a esse tipo horrível de criminalidade, a pedofilia. Cuidemos em acabar logo com isso, se não acabar, ao menos culpar e punir os que praticam tamanha barbárie sexual.

Na verdade, o principal alvo dos pedófilos é as criancinhas, presas vulneráveis destes criminosos que destroem violentamente, sem dó nem compaixão, a integridade não só física, mas também emocional(psiqué) e espiritual dos seres indefesos que são nossas crianças.

A pedofilia é uma chaga aberta na sociedade brasileira que precisa urgentemente ser curada. Curada como? Investigando os casos de incidências ou ocorrências; mapeando as principais suspeitas; rastreando cada palmo de ação destes “delinquentes” ou “maníacos” sexuais que não respeitam suas vítimas inocentes, provocando dor e sofrimento às suas famílias; e, definitivamente, punindo estes criminosos que roubam e matam a dignidade de nossas crianças. A pedofilia é uma ameaça às crianças, e consequentemente à sociedade organizada.

Se observarmos bem, há pedófilos agindo em cada metro quadrado do território brasileiro, onde moramos, até mesmo com quem convivemos, camuflados de bons moços ou boas moças, continuam a agir na surdina ou no silêncio de uma sociedade cúmplice, uma vez que não denuncia estes criminosos. Não é exagero pensar assim, pelo simples fato dos criminosos não irem pra cadeia quando a suspeita é flagrada. Os que ainda vão pra cadeia acabam conseguindo sair e migrar para outras regiões ou locais, onde possam aliciar e agredir, molestar ainda mais suas vítimas através de um sexo violento, forçoso e doentio.

Segundo pesquisas relativas ao parecer da OMS, podemos afirmar que a pedofilia é sim um distúrbio comportamental em que a pessoa adulta sente o desejo compulsivo que envolve meninos e meninas, por crianças ou pré-adolescentes. Tal distúrbio ocorre, na maior parte dos casos, em homens de personalidade tímida, que se sentem impotentes e incapazes de obter satisfação sexual com mulheres adultas. Muitos casos são de homens casados, insatisfeitos sexualmente. Geralmente são portadores de distúrbios emocionais que dificultam um relacionamento sexual saudável.

Por estes e tantos outros motivos que não puderam ser abordados aqui, é que o Seminário Municipal de Florânia se faz oportuno para discutir saídas que desmascarem as ações de pedófilos em nosso meio. Esperamos que seja um momento para discutirmos a pedofilia sob um enfoque social e legal de conscientização e sensibilização da sociedade, bem como suscitar mecanismos de prevenção que impeçam prática tão funesta em nossa cidade.

A partir de agora, mas principalmente dia 14 de dezembro de 2010 às 18h e 30min no Centro Cultural, Florânia em peso dará as mãos ao movimento nacional de TODOS CONTRA A PEDOFILIA!


Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva

Licenciado em Filosofia pela UERN e

Especialista em Metafísica pela UFRN


Páginas na internet:

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Que nossa Presidenta corra pra frente, não pra trás!

Com este salário, nem todos podem fazer uma ceia de Natal.

O Natal é a grande festa do consumismo...E tome dívidas.

A vida como um grande MOTIVO que nos move... Cecília Meireles.

Deixo-os na companhia de Cecília Meireles, pois fim de ano é inevitável nossa reflexão lançar-se para realidades existenciais, finitas e, absolutamente, fugidias...

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Neste Natal e Ano Novo, sejamos consumidos pelos afetos, não pelo dinheiro!


Quando nesse país, e em boa parte do mundo, tudo ainda esbarrar em dinheiro, as festas de Natal e fim de ano mais parecerão uma corrida avassaladora “contra” e “para” o consumo. “Contra”, porque relutamos aos gastos exorbitantes que poderão nos deixar endividados o ano vindouro inteirinho. “Para”, na medida em que cedemos aos caprichos dos apelos do coração, uma vez que somos todo sentimento e emoção em tempos como estes – de confraternizações natalinas e Réveillon 2011- de encontrar pessoas amigas de longas datas, até mesmo familiares tomados de saudades.

Somadas a isto são as inúmeras festas de confraternização e troca de presentes que podem afastar ou aproximar as pessoas do inevitável consumo, teimosamente rondando à nossa volta, dependendo, é claro, do poder aquisitivo de cada um, mas que mexe com os brios de uma sociedade altamente capitalista, na qual estamos metidos.

Pois bem, no calor das tantas festas natalinas e no derramar da brancura das espumas volumosas de litros e litros de champanhe, escondem-se os gritos daqueles que passarão quase todo o ano endividados; o soluçar de milhares de famílias divididas que não têm como celebrar o Natal; o clamor de um número infindável de crianças que ainda não sentiram o sabor de ganhar um presente ou uma ceia de Natal, porque não têm dinheiro.

Da criança ao idoso, passando pelo jovem sem perspectiva de vida neste Natal, há a sensação de que é possível, no momento supremo do encontro familiar em volta d'Aquele que se fez e se faz presente por nós, Jesus Cristo, nascer de novo com todos os excluídos da terra. Excluídos por algo tão banal, que um sem-número de pessoas dá valor, o tal do dinheiro. Por causa dele, criamos barreiras, construímos cercas e matamos nosso irmão. É por isso que não reconheço o homem quando simplesmente vejo o consumo desmedido numa época tão maravilhosa como esta. É tempo de celebração, de congraçamento de todas as diferenças, não de consumismo.

Sei que muitos nem verão o alvorecer de um novo ano porque estarão anestesiados pela bebida em demasia, mas, certamente, haverá pessoas que esperarão o Salvador neste Natal e aguardarão entusiasmadas o despontar de um novo ano com os olhos fitos nos que não terão vinho e nem pão, muito menos peru e “fiesta”, regado a fios de ovos, tampouco panetone, mas estarão cheias de ternura e receptivas à partilha, ao abraço, ao sorriso, ao encontro.

Ao contrário de esbanjarmos muito consumo, neste fim de ano, esbanjemos muitos encontros e trocas de abraços. Ao invés de inúmeras trocas de presentes, multipliquemos, neste Natal, as trocas de afetos, os gestos amáveis e ternos. Sejamos consumidos pelos afetos, não pelo dinheiro. Sejamos consumidos de amigos, não consumidos pelas dívidas!

Prof. Jackislandy Meira de M. Silva.

Licenciado em Filosofia pela UERN.

Especialista em Metafísica pela UFRN.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

"Sócrates no sertão do Seridó". Filme será lançado em fevereiro de 2011.


A TV Seridó foi responsável pelas filmagens do curta-metragem "Sócrates do Sertão do Seridó", filmado nas dependências do Complexo Turístico Ilha de Santana em Caicó e com lançamento previsto para fevereiro do próximo ano. Idealizado pelo juiz de Parelhas, Marcos Vinicius, que também é professor de filosofia, o filme conta a história de Sócrates, principalmente os aspectos de seus ensinamentos éticos e morais. "Através desse filme buscaremos discutir nas escolas públicas e privadas o tema ética, levando a universidade para dentro da sociedade, uma forma de retribuir o ensinamento que nós estamos conseguindo adquirir durante o curso", disse o magistrado e idealizador do filme.

Alunos do 2º periodo de Direito da UFRN e professores do curso (Campus de Caicó) integram o elenco do filme, dentre eles o advogado e presidente da OAB/Caicó, Chiquinho Medeiros. Sócrates é interpretado pelo universitário Helton Medeiros, que diz ter tido muita dificuldade de interpretá-lo. "É um pesonagem muito interessante. Ele o que hoje em dia pode se considerar uma pessoa chata e que pega muito no pé, mas ele é muito inteessante de se estudar. Agora, a atuação em si foi muito tensa", relatou. Deyse Nerino assina o roteiro do filme. "Por ser em terra caicoense, fizemos uma readaptação de um filme, lançado em 1971 e já trabalhado em sala, por estarmos pagando na cadeira de filosofia Sócrates, como ele é um marco na filosofia, e isso foi uma idéia do professor e apenas readaptamos para trazer como forma de acervo na nossa universidade", finalizou

Fonte: www.marcosdantas.com

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Leitura combina com férias e crescimento econômico?


Para aqueles que trabalham no decurso do ano é uma ótima pedida nestas férias que vem chegando, colocar a leitura em dia. Não só nas férias a leitura se insurge como um “ócio criativo” - título de um belo livro de Domenico de Masi - mas, sobretudo, viver dela e para ela deve ser uma exigência em todo o tempo. A leitura deve ser prioridade em todos os momentos da vida. Numa entrevista a que assisti, após as eleições deste ano, no Programa Jô Soares com Marina Silva, ela afirmou que para onde ia estava na companhia segura de sua maleta de livros, pois assim que surgisse uma oportunidade, abriria um de seus livros e lia com muita alegria, afirmando que o tempo não podia ser desperdiçado. Chegou até a brincar com Jô e disse que no avião dependendo do medo e de algumas situações, o primeiro livro que pegava era a Bíblia.

A atividade da leitura no Brasil tem melhorado a passos lentos, de modo que países vizinhos, aqui mesmo na América do Sul, estão bem melhores colocados no ranking de leitura do que o Brasil. A avaliação educacional mais importante – e relevante – do mundo revelou que a Educação brasileira está melhorando, mas ainda ocupamos uma posição baixa: em um ranking de 65 países somos o 53º colocado em Leitura e Ciências e 57º em Matemática. O Pisa(Programa Internacional de Avaliação de Alunos)avalia o desempenho de alunos do Ensino Fundamental e Médio em três áreas chaves: Leitura, Matemática e Ciências. A média brasileira nessas disciplinas foi de 401 pontos, bem abaixo da pontuação dos países mais desenvolvidos, que obtiveram 496 pontos. Em leitura, o Brasil alcançou 412 pontos; em Matemática, 386 e em Ciências 405 – em 2006 a pontuação foi de 393 em Leitura, 370 em Matemática e 390 em Ciências. Resultado que nos deixa atrás de México, Uruguai, Jordânia, Tailândia e Trinidad e Tobago.

Recentemente, como ilustração deste texto, logo acima, publicada pela Revista Superinteressante, podemos ver um levantamento de leituras espontâneas em média por aluno, do Instituto pró-livro da ANL, Centro Regional para o Fomento do Livro, na América Latina, na Espanha, no Caribe e em Portugal, que o Brasil lê apenas um livro por ano por habitante, ao passo que o Chile lê cinco livros por ano por pessoa, a Argentina cinco também e o Uruguai é o que mais lê, seis livros por cada habitante ao ano.

Os dados não mentem. A bem da verdade, se perguntarmos a uma criança ainda pequena o que ela sonha ser quando crescer, a resposta é quase imediata e unânime, jogador de futebol. Isto porque a mídia escancara nas telinhas com frequência jogadores de futebol esnobando mulheres bonitas, carros importados, gigantescos salários e, como se não bastasse, fora aprovada recentemente no Congresso Federal a Lei que ampara jogadores da seleção brasileira na aposentadoria, uma espécie de fundo de pensão. Cadê que uma criança responde que quer ser Professor ou Professora neste país?! Porque Professor ganha pouco, Professor não tem mais respeito, é agredido em sala de aula, é espancado e até assassinado. Muitos professores estão desmotivados com um mísero salário que recebem. Um salário que mal dá pra comer, quanto mais investir na formação profissional. Categoricamente, o Brasil vende uma imagem que não é a de um país de leitores que busca e se alimenta de cultura, mas a de um país que só vê futebol e que só ouve e dança samba. Somos o país do samba e da bola, não um país de leitura. Para a enorme maioria dos políticos, educação não dá votos, não ganha eleições. Educação neste país não é coisa séria, infelizmente.

Enquanto a Educação neste país estiver sendo vista como algo de segunda categoria ou sem prioridade, a leitura e o nível cultural não irão ser diferenciais de qualidade para um povo que quer entrar na lista dos países mais desenvolvidos do globo. Há, atualmente, um retrocesso no crescimento brasileiro. À medida que aceleramos no plano econômico, retrocedemos nas questões educacionais. Questões estas muito pertinentes na formação da personalidade, bem como na consolidação de um cidadão ético e absolutamente comprometido com o patrimônio natural de sobrevivência humana na terra. A mãe terra pede socorro, mas sem uma educação diferenciada, básica até, a Gaia, mãe e criatura de Deus, a terra gritará num gemido ensurdecedor de socorro.

As férias estão às portas. É hora de fazermos um balanço do quanto precisamos melhorar a leitura para poder expressar com mais autoridade nossas ideias. A leitura não só é importante para o desenvolvimento econômico de um país, mas é substancial no respeito aos outros, no trato com o diálogo, nos bons costumes, no requinte da linguagem e da escrita, no poder da argumentação. A leitura, por tudo isso nos dá poder, nos garante segurança emocional e faz bem às férias, principalmente quando são longas e podendo até nos levar ao tédio. Nas férias, a leitura nos propicia sair do ócio e do tédio. Edifique-se, leia mais nestas férias!

Prof. Jackislandy Meira de M. Silva
Licenciado em Filosofia pela UERN e
Especialista em Metafísica pela UFRN

Páginas na internet:
www.umasreflexoes.blogspot.com
www.chegadootempo.blogspot.com
www.twitter.com/filoflorania

p


terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Educação no Brasil melhora, mas em ritmo muito lento.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A pedofilia é uma ameaça às crianças.


A palavra pedofilia vem do grego παιδοφιλια (paidophilia) onde παις ("criança") e φιλια (philia, "amizade", "afinidade", "amor", "afeição", "atração"), "atração ou afinidade patológica" ou "tendência patológica", conforme o Dicionário Aurélio. A pedofilia, na prática, vai além da acepção cunhada por Aurélio, quer significar ações descontroladas de indivíduos que aliciam menores, na sua grande maioria, crianças desprotegidas, sem nenhuma reação para coibir a prática destes criminosos.

Não poucas vezes, o que facilita a ação dos pedófilos em nossa sociedade é a tremenda impunidade por que passa o país. O Brasil é detentor de uma legislação bastante flexível em que os infratores das leis se sentem à vontade para premeditar, escolher e agredir as suas vítimas, no caso em questão, crianças. Insistimos em destacar aqui “a criança” porque somos os primeiros a propagar por aí o famoso clichê de que “a criança é o futuro da humanidade”. Bem, de fato o é. Mas, se é o nosso futuro, por que não as protegemos, por que não monitoramos suas ações enquanto família, pais e mães, tios e avós? Crianças são frágeis, dóceis, amáveis. Estão, a todo instante, necessitando de carinho e atenção, por isso são tão vulneráveis e expostas a esse tipo horrível de criminalidade, a pedofilia. Cuidemos em acabar logo com isso, se não acabar, ao menos culpar e punir os que praticam tamanha barbárie sexual.

Na verdade, o principal alvo dos pedófilos é as criancinhas, presas vulneráveis destes criminosos que destroem violentamente, sem dó nem compaixão, a integridade não só física, mas também emocional(psiqué) e espiritual dos seres indefesos que são nossas crianças.

A pedofilia é uma chaga aberta na sociedade brasileira que precisa urgentemente ser curada. Curada como? Investigando os casos de incidências ou ocorrências; mapeando as principais suspeitas; rastreando cada palmo de ação destes “delinquentes” ou “maníacos” sexuais que não respeitam suas vítimas inocentes, provocando dor e sofrimento às suas famílias; e, definitivamente, punindo estes criminosos que roubam e matam a dignidade de nossas crianças. A pedofilia é uma ameaça às crianças, e consequentemente à sociedade organizada.

Se observarmos bem, há pedófilos agindo em cada metro quadrado do território brasileiro, onde moramos, até mesmo com quem convivemos, camuflados de bons moços ou boas moças, continuam a agir na surdina ou no silêncio de uma sociedade cúmplice, uma vez que não denuncia estes criminosos. Não é exagero pensar assim, pelo simples fato dos criminosos não irem pra cadeia quando a suspeita é flagrada. Os que ainda vão pra cadeia acabam conseguindo sair e migrar para outras regiões ou locais, onde possam aliciar e agredir, molestar ainda mais suas vítimas através de um sexo violento, forçoso e doentio.

Segundo pesquisas relativas ao parecer da OMS, podemos afirmar que a pedofilia é sim um distúrbio comportamental em que a pessoa adulta sente o desejo compulsivo que envolve meninos e meninas, por crianças ou pré-adolescentes. Tal distúrbio ocorre, na maior parte dos casos, em homens de personalidade tímida, que se sentem impotentes e incapazes de obter satisfação sexual com mulheres adultas. Muitos casos são de homens casados, insatisfeitos sexualmente. Geralmente são portadores de distúrbios emocionais que dificultam um relacionamento sexual saudável.

Por estes e tantos outros motivos que não puderam ser abordados aqui, é que o Seminário Municipal de Florânia se faz oportuno para discutir saídas que desmascarem as ações de pedófilos em nosso meio. Esperamos que seja um momento para discutirmos a pedofilia sob um enfoque social e legal de conscientização e sensibilização da sociedade, bem como suscitar mecanismos de prevenção que impeçam prática tão funesta em nossa cidade.

A partir de agora, mas principalmente dia 14 de dezembro de 2010 às 18h e 30min no Centro Cultural, Florânia em peso dará as mãos ao movimento nacional de TODOS CONTRA A PEDOFILIA!


Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva

Licenciado em Filosofia pela UERN e

Especialista em Metafísica pela UFRN


Páginas na internet:

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

.

Atividade no Facebook

Mais vistas: