sábado, 25 de dezembro de 2010

A vida como um grande MOTIVO que nos move... Cecília Meireles.

Deixo-os na companhia de Cecília Meireles, pois fim de ano é inevitável nossa reflexão lançar-se para realidades existenciais, finitas e, absolutamente, fugidias...

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

Nenhum comentário:

sábado, 25 de dezembro de 2010

A vida como um grande MOTIVO que nos move... Cecília Meireles.

Deixo-os na companhia de Cecília Meireles, pois fim de ano é inevitável nossa reflexão lançar-se para realidades existenciais, finitas e, absolutamente, fugidias...

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

Nenhum comentário:

Atividade no Facebook

Mais vistas: