domingo, 12 de maio de 2013

MÃEZONA

Mainha, permita-me hoje, sobretudo hoje, tratar-lhe no aumentativo, mãezona. Na verdade, você é uma mãezona que jamais economizou carinho, proteção e cuidado para com os seus filhos. Este seu filho aqui de Florânia lhe quer muito bem. Saiba o quanto a amo e o quanto é especial para mim. Você tem um lugarzinho na minha cabeça, pois sempre sua imagem e suas atitudes aparecem em minha memória como num estalo, como num lampejo agradabilíssimo. Há também um lugar cativo todo seu em meu coração, uma vez que, volta e meia, saltita só de saber que estará sempre dentro de mim, alimentando o tônus da minha vida.
Sem você não estaria agora no útero do mundo com todas as suas adversidades. Sei da sua importância não só porque estou aqui sem cordão umbilical algum, mas por me ensinar o que é justo, honesto; por me mostrar o bom caráter, o respeito ao outro e o valor da humildade.
Aprendi com a senhora, minha mãe, que não basta ter dinheiro de qualquer jeito para sobreviver, mas como tê-lo mesmo com todo sacrifício. Trabalhar é uma honra e tudo que vem dele também. Se trabalhamos nos mostramos o quanto somos saudáveis e o quanto fomos bem educados.
Obrigado por me fazer enxergar isso, enquanto muitos fogem do sacrifício, do caminho sagrado e mais difícil para a felicidade que é o próprio trabalho.
Viver cada dia assumindo o seu preço, seu peso, seu salário e o quanto vale, por mais duro ou mole que seja seu cotidiano. Carrego comigo este aprendizado, mas com a responsabilidade de um eterno aprendiz, principalmente nos conceitos que emergem dos fragmentos da vida.
Avalio, de verdade, o quanto foi precioso cada ato de sacrifício, de esforço para cuidar de mim e de meus irmãos. O que dizer então das muitas noites de sono dispensadas a meu favor, regadas a choros e soluços que não faziam sentido quando não implicava em algum tipo de enfermidade; das advertências que não me faziam ouvir, das preocupações e atribulações pelas quais passou só para proteger-me ou poupar-me.
Obrigado, mãezona, por fazer-me mais forte e resistente, por preparar-me para uma vida cheia de sacrifícios, contradições, por isso não menos ou mais feliz, nem boa ou má, mas agradável e serena, pacificadora.
Inteiramente feliz por todo sacrifício posto em dar sentido à minha vida!

De seu filho,
Jackislandy Meira de Medeiros Silva.

Nenhum comentário:

domingo, 12 de maio de 2013

MÃEZONA

Mainha, permita-me hoje, sobretudo hoje, tratar-lhe no aumentativo, mãezona. Na verdade, você é uma mãezona que jamais economizou carinho, proteção e cuidado para com os seus filhos. Este seu filho aqui de Florânia lhe quer muito bem. Saiba o quanto a amo e o quanto é especial para mim. Você tem um lugarzinho na minha cabeça, pois sempre sua imagem e suas atitudes aparecem em minha memória como num estalo, como num lampejo agradabilíssimo. Há também um lugar cativo todo seu em meu coração, uma vez que, volta e meia, saltita só de saber que estará sempre dentro de mim, alimentando o tônus da minha vida.
Sem você não estaria agora no útero do mundo com todas as suas adversidades. Sei da sua importância não só porque estou aqui sem cordão umbilical algum, mas por me ensinar o que é justo, honesto; por me mostrar o bom caráter, o respeito ao outro e o valor da humildade.
Aprendi com a senhora, minha mãe, que não basta ter dinheiro de qualquer jeito para sobreviver, mas como tê-lo mesmo com todo sacrifício. Trabalhar é uma honra e tudo que vem dele também. Se trabalhamos nos mostramos o quanto somos saudáveis e o quanto fomos bem educados.
Obrigado por me fazer enxergar isso, enquanto muitos fogem do sacrifício, do caminho sagrado e mais difícil para a felicidade que é o próprio trabalho.
Viver cada dia assumindo o seu preço, seu peso, seu salário e o quanto vale, por mais duro ou mole que seja seu cotidiano. Carrego comigo este aprendizado, mas com a responsabilidade de um eterno aprendiz, principalmente nos conceitos que emergem dos fragmentos da vida.
Avalio, de verdade, o quanto foi precioso cada ato de sacrifício, de esforço para cuidar de mim e de meus irmãos. O que dizer então das muitas noites de sono dispensadas a meu favor, regadas a choros e soluços que não faziam sentido quando não implicava em algum tipo de enfermidade; das advertências que não me faziam ouvir, das preocupações e atribulações pelas quais passou só para proteger-me ou poupar-me.
Obrigado, mãezona, por fazer-me mais forte e resistente, por preparar-me para uma vida cheia de sacrifícios, contradições, por isso não menos ou mais feliz, nem boa ou má, mas agradável e serena, pacificadora.
Inteiramente feliz por todo sacrifício posto em dar sentido à minha vida!

De seu filho,
Jackislandy Meira de Medeiros Silva.

Nenhum comentário:

Atividade no Facebook

Mais vistas: