segunda-feira, 31 de maio de 2010

O assunto do momento é... Futebol




(pintura: Futebol de Aldemir Martins)

“O futebol não aprimora os caracteres do homem, mas sim os revela”(Armando Nogueira).


Mesmo em ano de política no Brasil, onde se noticia até a discussão de uma possível aprovação de Lei na Câmara dos Deputados e no Senado Federal que garantirá aos cidadãos brasileiros o direito à felicidade, o assunto do momento é futebol.

É, meus caros, enquanto artistas e uns poucos políticos estão tentando emplacar uma garantia social de bem-estar para nós, embora soe aos nossos ouvidos um tanto quanto banal e utópico ou até antiquado, o Brasil se prepara ansiosamente para assistir a mais uma Copa do Mundo, desta vez na África do Sul.

Se a felicidade social no Brasil é feita de momentos para alguns, acaba sendo um sonho tornar-se realidade permanente para uma grande maioria excluída de suas garantias sociais como educação, moradia, emprego, saneamento, saúde, lazer e alimentação. Sou da opinião de que esses direitos dão suporte a todo o resto, inclusive a uma vida feliz. Mas, como tudo o que é novo na área política brasileira, a polêmica discussão terá que esperar para ver se engrena de vez.

Nesse intervalo de tempo entre o sonho e a realidade, entra em cena um outro espetáculo da terra, o futebol. Pelo menos no futebol temos alegrias mais estáveis do que na política, embora acusemos o futebol de maquiar escândalos políticos, como foi o caso da copa de 70 em que vivíamos uma forte ditadura. Eram as bolas entrando nas redes adversárias e o Brasil entrando na lista dos países de regime autoritário. Cada gol correspondia a uma censura. A comemoração da vitória era sufocada pela terrível falta de liberdade.

Por outro lado, é preciso confessar que a vida sem futebol não existe para o brasileiro. É o futebol nossa paixão nacional. Avalie o tamanho dessa paixão em tempos de Copa do Mundo. Pode multiplicar por onze que é o número dos jogadores que hão de representar o país pentacampeão de futebol em campos estrangeiros com um jeito todo brasileiro. Os olhos do mundo param por uns instantes e se permitem dar atenção às habilidades originais de nossos jogadores. Costumo dizer que há brasileiridade não apenas em nossa língua, em nossa culinária e em nosso regionalismo, mas também no futebol. É o futebol que exporta a imagem de um país mais feliz para os outros, driblando a imagem de um país campeão em corrupção política e em desigualdade social. A inflação e os grandes impostos, num período de Copa do mundo, pouco importam, esta que é a verdade. A nossa torcida será por uma maior permanência do Brasil no torneio da copa que contará com 32 seleções, pois quanto mais tempo passarmos disputando esta copa, mais tempo ficaremos sentindo o doce sabor de ver ou de assistir as amarelinhas em campo tentando agarrar mais um título mundial de futebol, o hexacampeonato.

Inevitavelmente, em ano de copa, abre-se espaço na realidade da gente para a fantasia, para o encanto, para a arte de mostrar ao mundo um futebol alegre, vibrante e entusiasmado pela vitória, pela glória de mais uma possível conquista. Se esta não vier, ao menos o futebol, a felicidade fugaz investida nele, os momentos de encontro entre brasileiros para ver os jogos, o abraço entre as pessoas, os gritos de gol, tudo isso, felizmente, sai ganhando e já é vitorioso. Lembrem-se. Para não nos angustiarmos, tampouco nos ressentirmos com a também possível derrota, antes de entrarmos em campo já somos mais que vencedores.

Prof.: Jackislandy Meira de Medeiros Silva

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

sexta-feira, 28 de maio de 2010

As três fases da vida de um Professor em Roland Barthes por Rubem Alves...


Certa vez, numa palestra de Educação para a cidadania, em Santos São Paulo, o educador e escritor Rubem Alves pediu para que ninguém tomasse nota de suas palavras porque essa não era a maneira de levar a sério um assunto, mas o contrário, não levar a sério. Dizia ele que quando se está envolvido numa conversa afetuosa é até indelicadeza tomar nota. E brincava: “Não se toma nota quando se está fazendo amor”. Segundo ele, toda experiência de conversa é uma experiência de fazer amor. Tal motivo, o levou, na palestra, a citar o comentado Roland Barthes que emprestou algumas ideias suas para ilustrar o caminho da exposição de Rubem Alves naquela ocasião. Para Rubem Alves, este é o educador que ele mais ama, pois tinha a capacidade de extrair a beleza das coisas que seus alunos falavam. Era de uma delicadeza incomparável, uma vez que todos se sentiam inteligentes em sua companhia, afirmou Rubem.

Sendo assim, transcrevo um pouco aqui da sensibilidade de Roland Barthes em sua obra “A Aula”(Texto que produziu para uma aula inaugural como Professor de Semiologia no Collège de France) sobre as três fases da vida de um professor a partir das palavras de Rubem Alves.

“Na primeira fase, ensina-se o que se sabe. E é verdade, a gente ensina o que sabe, a gente ensina a criança a dar nó no sapato, a andar de bicicleta, a somar, a subtrair, a escrever, a gente ensina as coisas que sabe, a gente ensina a subir numa árvore, a pintar, a desenhar, enfim. Esse “ensinar as coisas que sabe” é um ato de transmitir as receitas de como viver o que a gente aprendeu. Parte dos nossos saberes são receitas, como receita culinária do livro da Dona Benta. Na segunda fase, então ele diz: mas a gente vive um pouco mais e começa a ensinar as coisas que a gente não sabe. Aí as pessoas perguntam: mas como é que a gente pode ensinar aquilo que a gente não sabe? Imagine que a minha filha me pergunte: pai, onde é que fica a Rua Sampainho? Sampainho é uma rua lá em Campinas. Então eu digo a ela: não sei onde fica a Rua Sampainho, mas na lista telefônica tem uma série de mapas, você procura o nome da rua, na lista dos endereços, e lá tem indicação do mapa e você vai achar. Eu não sei onde é a Rua Sampainho, mas, apesar de não saber, ensinei minha filha a achar a Rua Sampainho. Essa é uma das coisas mais lindas sobre a vida de um professor. Não é aquele professor que sabe o programa, isso é banal. Os programas estão em livros, os professores que sabem o programa vão desaparecer: eles serão substituídos por disquetes, programas e livros. Mas ensinar a encontrar é a coisa mais importante: isso tem o nome de “fazer pesquisa”... É isso que a gente faz, não é? Quando a gente está ensinando a fazer pesquisa, está ensinando a coisa que a gente mesmo não sabe. O orientador da pesquisa é aquele que não sabe nada, quem sabe é o aluno, o aluno vai lá, visita a coisa, vem e conta para o professor e o professor aprende. Na situação de pesquisa, o orientador se torna aluno do aluno que faz a pesquisa.Finalmente, com a terceira fase, chegou o momento supremo da minha vida, eu me entrego à maior de todas as forças da vida viva. Eu me entrego ao poder do esquecimento, procuro esquecer, desaprender tudo o que eu aprendi. Vejam que coisa curiosa, dizer que ele, professor de semiologia, estava se dedicando a desaprender tudo. Parece o contrário do ideal de aprendizagem, de educação, de que a gente vai cada vez saber mais. Ele está dizendo que queria saber menos, saber menos”(Rubem Alves, in Palestra sobre Educação para a Cidadania).

Estas são as três fases da vida de um professor na concepção de Roland Barthes conforme o jeito e o linguajear de contar do escritor Rubem Alves. Todo bom professor que se preze deveria ler e reler esse texto, antes de acharmos que estamos envelhecendo no prazeroso percurso do ensino-aprendizagem.

Professor Jackislandy Meira de Medeiros Silva

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

segunda-feira, 31 de maio de 2010

O assunto do momento é... Futebol




(pintura: Futebol de Aldemir Martins)

“O futebol não aprimora os caracteres do homem, mas sim os revela”(Armando Nogueira).


Mesmo em ano de política no Brasil, onde se noticia até a discussão de uma possível aprovação de Lei na Câmara dos Deputados e no Senado Federal que garantirá aos cidadãos brasileiros o direito à felicidade, o assunto do momento é futebol.

É, meus caros, enquanto artistas e uns poucos políticos estão tentando emplacar uma garantia social de bem-estar para nós, embora soe aos nossos ouvidos um tanto quanto banal e utópico ou até antiquado, o Brasil se prepara ansiosamente para assistir a mais uma Copa do Mundo, desta vez na África do Sul.

Se a felicidade social no Brasil é feita de momentos para alguns, acaba sendo um sonho tornar-se realidade permanente para uma grande maioria excluída de suas garantias sociais como educação, moradia, emprego, saneamento, saúde, lazer e alimentação. Sou da opinião de que esses direitos dão suporte a todo o resto, inclusive a uma vida feliz. Mas, como tudo o que é novo na área política brasileira, a polêmica discussão terá que esperar para ver se engrena de vez.

Nesse intervalo de tempo entre o sonho e a realidade, entra em cena um outro espetáculo da terra, o futebol. Pelo menos no futebol temos alegrias mais estáveis do que na política, embora acusemos o futebol de maquiar escândalos políticos, como foi o caso da copa de 70 em que vivíamos uma forte ditadura. Eram as bolas entrando nas redes adversárias e o Brasil entrando na lista dos países de regime autoritário. Cada gol correspondia a uma censura. A comemoração da vitória era sufocada pela terrível falta de liberdade.

Por outro lado, é preciso confessar que a vida sem futebol não existe para o brasileiro. É o futebol nossa paixão nacional. Avalie o tamanho dessa paixão em tempos de Copa do Mundo. Pode multiplicar por onze que é o número dos jogadores que hão de representar o país pentacampeão de futebol em campos estrangeiros com um jeito todo brasileiro. Os olhos do mundo param por uns instantes e se permitem dar atenção às habilidades originais de nossos jogadores. Costumo dizer que há brasileiridade não apenas em nossa língua, em nossa culinária e em nosso regionalismo, mas também no futebol. É o futebol que exporta a imagem de um país mais feliz para os outros, driblando a imagem de um país campeão em corrupção política e em desigualdade social. A inflação e os grandes impostos, num período de Copa do mundo, pouco importam, esta que é a verdade. A nossa torcida será por uma maior permanência do Brasil no torneio da copa que contará com 32 seleções, pois quanto mais tempo passarmos disputando esta copa, mais tempo ficaremos sentindo o doce sabor de ver ou de assistir as amarelinhas em campo tentando agarrar mais um título mundial de futebol, o hexacampeonato.

Inevitavelmente, em ano de copa, abre-se espaço na realidade da gente para a fantasia, para o encanto, para a arte de mostrar ao mundo um futebol alegre, vibrante e entusiasmado pela vitória, pela glória de mais uma possível conquista. Se esta não vier, ao menos o futebol, a felicidade fugaz investida nele, os momentos de encontro entre brasileiros para ver os jogos, o abraço entre as pessoas, os gritos de gol, tudo isso, felizmente, sai ganhando e já é vitorioso. Lembrem-se. Para não nos angustiarmos, tampouco nos ressentirmos com a também possível derrota, antes de entrarmos em campo já somos mais que vencedores.

Prof.: Jackislandy Meira de Medeiros Silva

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

sexta-feira, 28 de maio de 2010

As três fases da vida de um Professor em Roland Barthes por Rubem Alves...


Certa vez, numa palestra de Educação para a cidadania, em Santos São Paulo, o educador e escritor Rubem Alves pediu para que ninguém tomasse nota de suas palavras porque essa não era a maneira de levar a sério um assunto, mas o contrário, não levar a sério. Dizia ele que quando se está envolvido numa conversa afetuosa é até indelicadeza tomar nota. E brincava: “Não se toma nota quando se está fazendo amor”. Segundo ele, toda experiência de conversa é uma experiência de fazer amor. Tal motivo, o levou, na palestra, a citar o comentado Roland Barthes que emprestou algumas ideias suas para ilustrar o caminho da exposição de Rubem Alves naquela ocasião. Para Rubem Alves, este é o educador que ele mais ama, pois tinha a capacidade de extrair a beleza das coisas que seus alunos falavam. Era de uma delicadeza incomparável, uma vez que todos se sentiam inteligentes em sua companhia, afirmou Rubem.

Sendo assim, transcrevo um pouco aqui da sensibilidade de Roland Barthes em sua obra “A Aula”(Texto que produziu para uma aula inaugural como Professor de Semiologia no Collège de France) sobre as três fases da vida de um professor a partir das palavras de Rubem Alves.

“Na primeira fase, ensina-se o que se sabe. E é verdade, a gente ensina o que sabe, a gente ensina a criança a dar nó no sapato, a andar de bicicleta, a somar, a subtrair, a escrever, a gente ensina as coisas que sabe, a gente ensina a subir numa árvore, a pintar, a desenhar, enfim. Esse “ensinar as coisas que sabe” é um ato de transmitir as receitas de como viver o que a gente aprendeu. Parte dos nossos saberes são receitas, como receita culinária do livro da Dona Benta. Na segunda fase, então ele diz: mas a gente vive um pouco mais e começa a ensinar as coisas que a gente não sabe. Aí as pessoas perguntam: mas como é que a gente pode ensinar aquilo que a gente não sabe? Imagine que a minha filha me pergunte: pai, onde é que fica a Rua Sampainho? Sampainho é uma rua lá em Campinas. Então eu digo a ela: não sei onde fica a Rua Sampainho, mas na lista telefônica tem uma série de mapas, você procura o nome da rua, na lista dos endereços, e lá tem indicação do mapa e você vai achar. Eu não sei onde é a Rua Sampainho, mas, apesar de não saber, ensinei minha filha a achar a Rua Sampainho. Essa é uma das coisas mais lindas sobre a vida de um professor. Não é aquele professor que sabe o programa, isso é banal. Os programas estão em livros, os professores que sabem o programa vão desaparecer: eles serão substituídos por disquetes, programas e livros. Mas ensinar a encontrar é a coisa mais importante: isso tem o nome de “fazer pesquisa”... É isso que a gente faz, não é? Quando a gente está ensinando a fazer pesquisa, está ensinando a coisa que a gente mesmo não sabe. O orientador da pesquisa é aquele que não sabe nada, quem sabe é o aluno, o aluno vai lá, visita a coisa, vem e conta para o professor e o professor aprende. Na situação de pesquisa, o orientador se torna aluno do aluno que faz a pesquisa.Finalmente, com a terceira fase, chegou o momento supremo da minha vida, eu me entrego à maior de todas as forças da vida viva. Eu me entrego ao poder do esquecimento, procuro esquecer, desaprender tudo o que eu aprendi. Vejam que coisa curiosa, dizer que ele, professor de semiologia, estava se dedicando a desaprender tudo. Parece o contrário do ideal de aprendizagem, de educação, de que a gente vai cada vez saber mais. Ele está dizendo que queria saber menos, saber menos”(Rubem Alves, in Palestra sobre Educação para a Cidadania).

Estas são as três fases da vida de um professor na concepção de Roland Barthes conforme o jeito e o linguajear de contar do escritor Rubem Alves. Todo bom professor que se preze deveria ler e reler esse texto, antes de acharmos que estamos envelhecendo no prazeroso percurso do ensino-aprendizagem.

Professor Jackislandy Meira de Medeiros Silva

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

Atividade no Facebook

Mais vistas: